Cultura

  • Ñanduti

  • Filigrana en plata

  • Guampas y bombillas para tereré

  • Chipa

O Paraguai é o país do ñandutí e da flor de côco, da flor de laranjeira e da erva-mate, e tem como base da sua história a fusão de duas culturas e tradições: a europeia e a guaraní do sul. Uma característica dessa fusão cultural é o bilinguismo que perdura até hoje, já que mais de 80% dos paraguaios falam espanhol e guarani, e muitos implementaram Jopara, que é uma mistura das duas línguas.

Na música, na literatura e no cotidiano, o idioma guaraní está presente como elemento básico da cultura paraguaia. Além das manifestações literárias, a cultura guarani também deixou marcas noutras expressões artísticas como o teatro, a música, a pintura e a escultura de grandes artistas nacionais e internacionais, que podem ser vivenciadas pelos turistas em museus, auditórios e galerias de arte.

Muitas das tradições paraguaias remontam-se à presença de missionários jesuítas e franciscanos, nos séculos XVII e XVIII, que deixaram esplêndidas construções arquitetônicas e esculturas que fazem parte do barroco hispano-guarani.

A formação crioula do povo paraguaio, na qual convergem por igual as influências indígenas e espanhola, faz do Paraguai um país de costumes peculiares, como o gosto pela erva-mate e o profundo conhecimento da medicina natural.

Gastronomia

A gastronomia nacional do Paraguai é baseada em produtos agrícolas e carnes. Os ingredientes principais são: milho, mandioca e amendoim. Os produtos mais conhecidos são: o chipá, a sopa paraguaia, o chipá candói, o mbejú, o chipá guasú, e o kaburé. A carne bovina é um componente presente no so’ó mbichy, chastaca, chipá so’o, soyo, bife pupú, locro e outros pratos. A cozinha internacional tem um lugar de destaque na oferta gastronómica com pratos requintados e deliciosas sobremesas, sem esquecer a diversidade de frutas existentes a maior parte do ano.

mida paraguaia teve sua origem pré-colombiana com a raça guarani e a herança espanhola na colonização.

La comida paraguaya tuvo su origen precolombino con la raza guaraní y la herencia española en la colonización.

A comida típica paraguaia é o o resultado da combinação das técnicas culinárias hispanas e da utilização de produtos nativos e outros introduzidos pelos espanhóis tais como as verduras, o arroz, a carne bovina, etc.

O produto básico da culinária paraguaia é o milho que é moído, cozido ou fermentado e é utilizado na elaboração de diferentes pratos ou alimentos.

El plato más emblemático de la cocina de Paraguay es la “sopa paraguaya”, potaje que resulta de mezclar y hervir harina de maíz con huevos, queso fresco, cebolla picada y leche cuajada.

O prato mais emblemático da cozinha do Paraguai é a “sopa paraguaia”, que resulta da mistura e fervura de farinha de milho com ovos, queijo, cebola picada e leite coalhada e posteriormente levado ao forno.

A gastronomia do Paraguai tem elementos comuns em toda a América, como o uso do milho, da mandioca, do amendoim e dos legumes, mas também a herança de recursos naturais e da cultura dos Guaranis e amálgama com cultura europeia dá-nos uma gastronomia diferente do resto da América e do MERCOSUL.

As comidas mais tradicionais, como chipa ou pão paraguaio, sopa paraguaia e uma variedade de sobremesas, encantam quem gosta de provar os nossos pratos.

Circuito Gastronómico

Música

Son típicas las polcas y las guaranias. Las primeras son de ritmo animado, en tanto las últimas son lentas y románticas. Reconocido internacionalmente por su tradición musical, el Paraguay es cuna de grandes compositores e intérpretes. Son nombres emblemáticos Agustín Barrios (Mangoré) y José Asunción Flores.

Artesanía

La artesanía paraguaya tiene dos vertientes diferentes: la indígena y la asimilada de los colonizadores. En el primer caso destaca la prevalencia de uso de elementos naturales para la producción artesanal como los objetos plumarios y pieles, uso de raíces, hojas y juncos para producir tejidos, madera y barro.

La artesanía paraguaya se nutre fundamentalmente de los elementos introducidos por la conquista mediante el uso de fibras, metales, madera y maquinarias. El hilado de algodón y la lana, los tejidos, el tratamiento de cueros, el tallado en piedra y en maderas, la orfebrería, la alfarería y la cerámica son líneas de producción que se admiran en prendas de vestir, ñandutí, ao poí, ponchos, hamacas, mantelería, filigrana en oro y plata, imaginería y fabricación de instrumentos musicales, entre otros.